• José Carlos Barbieni

    Parece eu redigindo esse texto, não que tenha saído do face (ainda), mas reflete bem a minha relação que diria ser de amor é ódio com o face, radical. não?
    Abri uma conta no face por conta de gostar de comentar, como faço agora, já que sempre gostei de emitir minhas opiniões sobre os acontecimentos, sobre matéria publicadas, talvez uma veia jornalística ou vontade de ser “ouvido” mesmo, e como vários sites e blogs só aceitavam comentários via face, lá fui eu abrir uma conta, isso foi há pouco tempo.
    Realmente se revê amigos, e nele podemos visualizar a liberdade de expressão daqueles que desejam postar o que pensam, mas nem tudo são flores, e não precisei de muito tempo para arrumar alguns…”Divergentes”.
    Minha maior decepção com o face talvez seja o famigerado “curta e digite Amém” , geralmente acompanhado de fotos de deficientes físicos, de fotos manipuladas, de memes instigatórios do tipo, ou é isso ou você não é de Deus… Complicado, essas pessoas na verdade querem curtidas, e não ligam a mínima se estão passando uma mensagem positiva ou não.
    Abrir o face, ver algumas coisas, fechar o face, ir pra blogs e sites, voltar ao face, ver que tá a mesma coisa…E olha que essa repetição está se tornando repetitiva, será que vale mesmo a pena?

    • Exatamente isso, pessoal está mais interessado em curtidas do que no conteúdo em si.

      Obrigado pelo comentário.

  • Dim

    Eu exclui a minha conta permanentemente. Ja estava de saco cheio de tantas pessoas que são donas da verdade, de um lugar onde ninguem realmente postava o que estava pensando. Um lugar onde as pessoas faziam de tudo para parecerem felizes. Hoje estou ha mais de 2 meses sem. Se senti falta? Claro, pelo costume de acessar todos os dias. Mas a realidade é que nunca me senti tão livre!

    • Sim, é mais ou menos esse o sentimento e o que encontramos lá. Eu acabei voltando por necessidade de algumas coisas, mas espero que você consiga viver sem.